12 de fevereiro de 2015

Querida

Diz-me, querida, do que
na vida deixei de ser.

Deixemos de lado, por pudores antigos,
as cenas picantes, os gemidos fingidos.

Aparta, também,
dos sonhos a morte
e das crianças o choro.
Fala-me de interioridades,
profundas e alheias ao amor carnal,
das coisas sem conhecidas idades
guardadas no pálido banal.

Fala-me dos deslizes meus
do olhar, do calar, do fugir.
Dou neste momento a ti
a voz da finalização
dos nossos dias
e dos nossos desamparos.
Conta tudo, defaz-te
de minha presença visual
e fala de meu outro eu,
daquele que não te amou
o quanto prometeu.

E num franzido te direi,
neste silêncio amador,
que nesta não imaginei
entregar-te tão pouco amor.

Poderias ter um, ou outro.
Tiveste, com prazer e dor, os dois.
E se quiseres tudo esquecer,
convida-me ao esquecimento.
Leva-me contigo ao menos
no teu entorpecimento.

Pois breve estaremos
juntos no sedento pó,
esquecidos e esquecedores
das vidas e das mortes
que ganhamos e perdemos.
E doídos estaremos do tanto sentido
e cambaleantes no quanto sofrido,
como pássaros cansados,
de asas combalidas
e bicos entristecidos,
sem pouso certo,
sem ninho aberto
e sem nada além
de inapagáveis lembranças
de calor e de distâncias.

Diz-me aqui, querida,
da morte da vida
e, havendo sorte,
da vida da morte.

O mais que se guarda
dentro da jornada
são temas ruídos
e bem esquecidos.

Diz-me, querida,
conta-me tudo
enquanto há vida
e estou tão mudo.

Diz-me tudo, minha querida,
pois é breve minha partida.


José Bernardo Neto


(Do livro Monólogo do poema ensanguentado, disponibilizado em pdf no blog https://monologodopoemaensanguentado.wordpress.com/ .)

4 comentários:

Nancy Zeitone disse...

Gostei muito do seu poema"Querida", que fala do amor perdido. Que quando se perde, só resta o vazio.

Olá, me chamo Lorena e eu disse...

Olá! gostei do seu blog e vou te seguir, já tive um, porém após muitos anos sem utiliza-lo, criei esse novamente!

espero lê muitos textos aqui e me perder dentro de cada palavrinha!

um abraço!!

Samuel Ivani disse...

Queres poesias de verdade? Ou melhor: desejas a verdade? Encontrarás aqui:
http://letraseopiniao.blogspot.com.br/2014/11/quando-um-poema-me-disse.html

A arte, necessariamente, precisa de ousadia, coragem. Bem sei eu que as palavras sempre estiveram ai, pairando no ar, democraticamente, porém, nem todos sabem juntá-las ao ponto de dar harmonia e beleza a elas.

Pseudo-poetas disse...

Lindo!