7 de março de 2014

Incubus



Despiu-se da escuridão
com o corpo reluzente 
Pálido à luz das estrelas
Como pérolas transluzentes

Mãos frias se erguiam
sobre o corpo imóvel
Artérias latejantes
pulsando sangue flamejante 

Olhos lacrimejavam 
A pele rígida 
garras arranhavam

Ó, majestoso és tu
De pele pálida
Incubus

Poema enviado por Arailson Galindo
Visite o blog dele e veja mais poemas.

2 comentários:

Bella Felix disse...

Olá Marli!

Sou Bella, do blog The Black Element. Também te linkei no meu blog. Obrigada por comentar. Vai ser uma honra ser publicada no seu blog. Gosto dessas trocas.

Se quiser que eu publique também, meu espaço está aberto. :)

Essa é uma das poesias que mais gostei de escrever, porque foi única que realmente foi pensada e ritmada para funcionar desta forma. Além da poesia também existe um áudio dela no recando das letras:

http://blogtheblackelement.wordpress.com/2012/06/04/o-familiar-cheiro-da-morte/


Muito legal de sua parte divulgar. Obrigada :D

Anônimo disse...

muito bonito