10 de junho de 2013

Aquele dia...



Aquela manhã estava tão sombria,
A cor acinzentada me entristecia naquele dia.
Olhava para as ruas, pouca gente eu via,
Parecia sozinha naquela manhã tão fria.

Quão fúnebre aparentava aquele dia,
Tentava disfarçar a tristeza em meu olhar.
Via as pessoas sem energia em seu andar,
Sorria com um ar de hipocrisia.

Queria reviver sentimentos de alegria,
O labor não permitia, e assim eu ia, eu ia, ao longo do dia.
Parei pra pensar nas belas coisas da vida,
Logo voltei a pensar nas mazelas daquele dia.

Tentava me recordar dos bons vividos dias de calor,
Mas os corações congelados de uma gente com ar mortificador,
Lembravam-me os escombros de uma caverna fria.
Em minha mente a lembrança daquele dia,
Dia de temor, aquele dia parecia o dia do terror.

Chovia enquanto eu andava pela rua,
Tentava apagar a minha amargura,
Mas a chuva molhava minha face e descia pela rua.

Nada mudava naquele dia,
E assim eu ia, eu ia, ao longo do dia,


Nessa mesma melodia.

Enviado por Priscila Diniz

2 comentários:

Mariana disse...

Gostei muito do blog e da ideia, se possível, gostaria de publicar algumas das minhas poesias também, e compartilho o meu blog: marigarzella.blogspot.com
Abraço!

Celso Andrade disse...

Dias cinzentos, sou tão cercado de dias assim!
muito lindo esses versos! :D