31 de dezembro de 2015

RESUMO


Quando me perco por um instante
No brilho dos seus olhos constante,
O pouco que tenho torna-se muito
E esse muito já me é o bastante.
Mas, se me perco
E você não me acha,
Minha doce amante,
Tudo que tenho torna-se pouco
E nada mais me satisfaz.
O mundo não me basta como antes.
Então me desalento em “ais”
Então,  este muito que tenho
Torna-se pouco demais!


Percival Percigo Gomes

2 comentários:

Percival Percigo Gomes disse...

Lindo este poema. apesar de eu ser suspeito para comentar... obrigado por lê-lo e apreciá-lo

Marli Fiorentin disse...

Obrigada por compartilhar aqui seu poema. Esse jogo de palavras mostra bem a complexidade do sentimento "amar".